Kubrick, o precursor das Deepfakes

Mateus Braga

VP de Criação Isobar Brasília

thought leadership

O lançamento do filme “Doutor Sono” nos faz lembrar do gênio visionário Stanley Kubrick. Seu poderoso impacto nas artes, tecnologia e até mesmo na própria humanidade permanece até os dias de hoje.

Talvez sua contribuição mais profunda tenha sido a obra-prima 2001: Uma Odisséia no Espaço, produzida em 1968. Esta obra de ficção científica, parcialmente baseada no conto de Arthur C. Clarke, “The Sentinel”, explora a evolução humana, o existencialismo e, notadamente, a inteligência artificial.

É um belo filme com um realismo científico aguçado, efeitos especiais muito à frente de seu tempo e uma construção narrativa com o menor diálogo possível. Por exemplo, satélites e dançarinos se misturam com as linhagens do ‘O Danúbio Azul’. Isto é pura poesia visual sobre a relação entre o homem e a tecnologia.

Em muitos aspectos, esta obra de arte inspirou a tecnologia de hoje, que agora está inspirando a “arte” de hoje.

Um dos personagens principais do filme é HAL 9000, uma simples lâmpada vermelha com inteligência artificial (IA). Tão, ou mais inteligente, que os próprios tripulantes da nave. Kubrick acreditava que computadores altamente inteligentes podiam aprender pela experiência e iriam, inevitavelmente, desenvolver emoções como medo, amor, ódio e inveja. Essas máquinas, disse ele, eventualmente manifestariam desordens mentais humanas.

HAL significa “Heuristic ALgoritmic”. Na linguagem da Ciência da Computação, “algoritmos heurísticos” são técnicas de IA aplicadas a problemas de alta complexidade teórica que não podem ser resolvidos com técnicas de programação convencionais, particularmente aquelas de natureza puramente numérica. Ou seja, tudo o que implica uma compreensão mais complexa, analítica, emocional e sentimental está envolvido em um algoritmo heurístico. HAL era ficção científica.

Voltando para a vida real, depois de 40 anos, as soluções de IA estão literalmente nas nossas mãos. Animojis da Apple, Siri, Alexa, Google, etc., HAL 9000 foi a inspiração deles, o avô de todas essas belezas lá fora.
Se um sistema pode aprender com toques emocionais e refinamentos como Kubrick previu, nos vem a pergunta se teremos um momento em que o poder maligno dessas aplicações de IA se instalará de vez. É só dar uma olhada nas deepfakes para imaginar o que está por vir. Deepfake é a aplicação da tecnologia com a IA para criar vídeos extremamente realistas, porém falsos. Vídeos onde personalidades podem aparecer fazendo um discurso inverso ao seu ponto de vista político ou até mesmo sendo colocado em situações constrangedoras. Não é edição básica. É um vídeo quase real criado com IA que captura as expressões faciais, sentimentos e emoções da pessoa.

Na era da informação, as notícias falsas e deepfakes podem ter um impacto destrutivo sobre a imagem de indivíduos ou corporações. O ex-presidente americano Barack Obama foi uma das vítimas. Em um vídeo feito a partir da tecnologia deepfake, ele chama Donald Trump de “um idiota total e completo”. O vídeo parece muito real, mas foi produzido o com aprendizado profundo (deep learning) da IA por Jordan Peel, como um vídeo experimental, que causa impacto em todo o mundo.

Como criativo, isso tudo me faz parar para pensar sobre o que veremos nos próximos 40 anos. Só posso esperar que, com todos os avanços rápidos e contínuos, teremos também alguma coisa da “alma” do HAL 9000. Numa das cenas mais antológicas do HAL 2001, numa crise de consciência (e num momento de autopreservação), rebela-se contra Dave e diz que não vai abrir as portas do hangar do navio: “Lamento, Dave, mas receio não poder fazer isso.”


Artigo originalmente publicado em: https://www.updateordie.com/2019/12/17/kubrick-o-precursor-das-deepfakes/?fbclid=IwAR31e9bEZr9ADQz8V9zEs5kDTfhQdCckTW1p8FnhBnQ7qpa36kLMUszC0lk